Clube de companheiras de genero


 

Eu tentando entrar nos sites de campanha. Não tô me ligando mesmo de que já chegou a eleição. Daí deputado federal. Eu sempre votei na Erundina. Toda a minha vida. Só meu primeiro voto pra deputado que não foi pra ela. Porque, né? Ela era prefeita. E eu votei pro Hélio Bicudo no primeiro voto pra deputado. Fiquei em dúvida de todo mundo, eu lembro. E escolhi ele por causa de direitos humanos pra bandido. Que ele defende até hoje e eu também. Eu não sei se eu sabia que ele é contra o aborto. E não sei se me importei. Não lembro mesmo. Votei mesmo por causa do combate ao esquadrão da morte. Que bela merda. Não votaria nele de novo. Enfim. Eu sempre votei na Erundina mas esse ano tô bem inclinada a votar na Iara Bernardi. Mas assim. BEM inclinada. Primeiro porque a Erundina vai se eleger. Ela tem muito voto sempre e esse ano tem o Chalita. E eu tava a fim até de apostar que o Chalita vai ter mais voto que o Tiririca. Não aposto porque meu avô não deixa. Teima mas não aposta etc. E eu nunca voto em militante GLBT. Sempre voto em sapatão e a Erundina é sapatão. Mas ninguém milita a causa. E a Iara Bernardi milita. E ela ficou sem mandato da outra vez. E é um absurdo ela ficar sem mandato. E aí a fer me mandou email. E ela não vai votar mas queria arranjar voto. E blá. Fiquei a fim. Tô bem dividida mesmo. Não sei o que fazer. É complicado também quando você eleitora histórica da pessoa etc.

No mais a biografia das duas é bastante conhecida. Então é um voto excelente anyway.



Escrito por Mary W. às 22h51
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

Eu sempre peço voto pra Beth Sahão porque eu realmente voto nela. E ela sempre precisa. Acaba batendo na trave e nunca é tranquila a reeleição dela. Ela é dessa região do estado que eu moro, a região noroeste. E se você não sabe, aqui é um dos lugares mais conservadores do país. Ela tem uma trajetória peculiar e talvez não agrade os esquerdistas mais puristas. Ela era psicológa de RH de usina de cana. Então ela super dialoga com usineiros e eu também preferia que ela não fizesse, mas o caso é que ela faz. Tem um componente aí, em defesa dela. As maiores oportunidades de emprego por aqui vem das usinas. E não é um emprego muito bom e ela fica atuando aí. Agricultura é *o* lance dela, eu acho. Pra conseguir voto. Trabalhadores das usinas etc. E aí ela tem esse duplo interesse. Que são as questões de gênero e da infância. Ela acaba sendo uma deputada meio Special Victims Unit. Um pouco porque ela é de Catanduva e foi lá que estourou um dos maiores casos de pedofilia do país. Ela ficou bem atenta a isso e presidiu comissões e o escambau. Eu não vou saber exatamente o cargo que ela ocupou nessas investigações porque aqui na faculdade eles bloqueiam os sites com a palavra pedofilia. Mereço. Enfim. Ela é uma deputada com esse viés. E ela é feminista militante e fez um lance que eu curti muito, com a Marta Suplicy. Elas montaram grupos pra capacitar mulheres que queriam entrar pra vida política. Isso logo depois que saiu a lei exigindo que 30% dos candidatos fossem mulheres. Eu já estive com ela algumas vezes. Numa delas, num dia internacional da mulher. Faz um tempo. E ela é absolutamente sabida quanto aos termos e discussões. Toda vez que falava comigo usava expressões acadêmicas. Tipo "política de presença" e "empoderamento". Eu já votava nela. Então não é que eu fiquei feliz que ela falou comigo usando essas palavras. Pode parecer que foi isso. Não foi. Agora você deve perceber que esse não é um post enfático. Porque ela fez uma cagada nesse mandato. Eu sei que não é fácil mostrar serviço fora da região de alcance sendo deputado estadual. E ela já tinha feito coisas idiotas. Tipo ela que propôs o Dia da Empregada Doméstica* e tal. Mas ela se superou na invenção de moda. Tipo quando teve aquele lance das pulseiras de silicone. Que ficaram conhecidas como "pulseiras do sexo". Então. A Assembléia Legislativa propôs proibir as tais pulseiras nas escolas. Adivinha quem fez a proposta? Pois é. Ela que quis sair nessa foto. Eu sou eleitora antiga dela. E então eu entendo. Porque ela tem isso de proteger a criança e tal. E daí acho que acaba cometendo algum exagero. Como esse caso. Ela é lésbica assumida. Isso é importante para o meu voto. Embora, obviamente, não seja fundamental. Outra qualidade que ela tem. Tem um pastor bem conhecido em Catanduva que ODEIA ela. E fica pegando no pé. E tentando difamá-la e aquelas coisas. E ela responde publicamente a pegação de pé dele. Ela é uma candidata meio perfeita pra mim. Eu gosto de votar nela. Ela sempre vota como eu votaria. Sempre preside comissões que eu julgo fundamentais. É lésbica e feminista. E ainda bate boca com pastor. Tipo. É uma pena isso da pulseira**.

 

 

 

Tem um cara no jornal aqui da região que entrevista político. É uma entrevista peculiar. Porque pergunta coisas engraçadinhas e o candidato responde coisas engraçadinhas. Vale a pena olhar porque ele ficou insinuando que ela é lésbica durante toda a entrevista. Provavelmente porque ele acha que queima o filme etc. Que babaca.

 

Outra coisa. Ela divulga o blog dos Amigos do Presidente Lula no material de campanha dela.

Eu não sei como ela se posiciona em relação a bicho. Porque é uma questão cuja urgência pra mim é recente. Mas vou perguntar no twitter (@betsahao). Ela responde tudo que a gente pergunta no twitter.

Essas notícias. Prefeitos do DEM do interior apóiam Dilma Roussef. Ela tá meio por trás dessas coisas. Ela é meio realpolitik. Tô falando porque não quero enganar ninguém. E eu sei que um monte de amigas minhas gostam de votar em "esquerdismo de gênero". Então recomendo bastante, porque não desaponta. E porque tem chance mesmo de ser eleita. Mas ela não é da linha uma nova maneira de fazer política. Ela faz do jeito véio mesmo.



*Eu acho todos os dias idiotas. Inclusive o Dia dos Professores. Acho populista e hipócrita. Quer me homenagear? Aumente meu salário, me dê melhores condições de trabalho etc.

**Óbvio que a faculdade também não me deixa abrir sites que contenham "pulseiras do sexo".



Escrito por Mary W. às 20h32
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Todo mundo tem problema. E os movimentos sociais também tem. Porque é da vida e tal e coisa. Cada movimento social, imagino, tem seus problemas singulares. O movimento feminista tem um monte. Mas um deles é histórico. Então vou mencionar. Tipo o movimento feminista teve muita dificuldade de se legitimar dentro dos partidos e agremiações de esquerda. Porque o pensamento por lá era assim. Uma vez que nos livrarmos da opressão econômica, nos livraremos das demais opressões. E a libertação das mulheres seria, então, automática. Daí que há sempre esse apelo. Para que a luta específica não atrapalhe a luta universal etc. Então é interessante isso tudo. Porque sobrou mesmo. É uma herança. A esquerda pede desculpa por não colocar feminismo na agenda. E a gente responde "então tá, dessa vez tudo bem". E a coisa mais engraçada dessa eleição é que as feministas não apenas estão adiando a colocação de questões na agenda. Estão, sim, efetivamente reformatando a abordagem que tem de algumas questões. Eu quero que a Dilma apóie a legalização do aborto? Não, eu não quero. Acho estúpido se fizer. Mas não preciso mudar minha posição. Ela não fala disso e estamos bem. Mas agora é diferente. Com o lance do Netinho. Saiu um manifesto feminista (?) apoiando o cara. Um manifesto de todo patético e que recoloca a maneira como temos tratado a questão. Em determinado momento, diz o seguinte. Ele se arrependeu, pediu desculpas, o que mais podemos querer? Eu não sei se podemos querer coisas. Mas eu queria, sinceramente, que ele não se tornasse senador com endosso do movimento. Desculpas, o Dado também pediu. Na esfera privada, ele pode tudo. Casar outra vez, fazer terapia e se tornar um novo homem. Na esfera pública, ele pode um monte de coisas também. Menos ser representante feminista. Ou melhor. Ele pode ser representante feminista. Mas desde que faça algo pra merecer isso. Pedir desculpa está longe de ser suficiente. A Zuleika Alembert relata algumas coisas sobre a dupla militância dela no partido comunista. Ela faz um retrato bastante sincero do que era debater feminismo dentro da organização. Conta coisas cotidianas. Tipo que às mulheres era designado passar um cafezinho mesmo no meio das discussões. Para mim, essas mulheres que assinaram o manifesto continuam passando cafezinho. Primeiro por endossar uma candidatura com base nesse argumento de "pediu desculpas". Fizemos uma lei, hein? Para evitar que pedidos de desculpas eliminassem a responsabilidade. Que era o grande problema dos processos referentes a violência doméstica. Os agressores serem perdoados. Pelas esposas, pelas filhas, pelas vizinhas e pelas feministas do PC do B. Mas antes, essas mulheres já tinham passado um cafezinho. Porque ele é o candidato, né? Quer dizer que não teve feminista porra nenhuma nas reuniões do partido que definem candidaturas. Ele é candidato porque as feministas se omitiram e deve ser eleito com o endosso delas. É de cagar, sinceramente. E pelo visto, muito mais gente está disposta a atropelar a nossa agenda em prol de interesses partidários. No caso, nem vejo como o PT se beneficia tanto. Quem mais se beneficia mesmo é o PC do B. Não faria grande falta pra base da Dilma e seria um grande feito pra um movimento que vê a sua bandeira (violência doméstica) ser continuamente menosprezada no plano simbólico. Então eu não acho que é somente escolher se é a hora do partido ou a hora do movimento. Acho que se trata de pensar no significado mesmo. Há muita sinalização recente de que agredir mulheres não seria tão grave e poderia ser revertido com arrependimento. Não é onde eu achei que estaríamos em 2010. Mas é onde estamos. Daí que temos que vigiar a bandeira ué. Ana Luíza tá aí. Pra compor um voto que fica lindo. Com militância feminista de ponta a ponta. Por que não votar no compromisso feminista ou, pior, votar dando uma banana pra ele?

Pra Camila e pra Kellen que vão votar no Netinho :P



Escrito por Mary W. às 13h27
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

 

Eu não tenho muito saco pra ler artigo/post defendendo o Tiririca. Porque haja contorcionismo etc. O caso me parece é tao óbvio e acabou desfocado por conta dessa coisa. De falsidade ideológica e dele ser analfabeto. Estão querendo invalidar a candidatura dele, pelo que eu entendi. E não adianta. Porque são votos que migrarão para a Mulher Pêra. Ou pro Ronaldo Ésper. Tudo indica que ele (o Ésper) tinha certeza que seria o escolhido para o voto de protesto da vez. Que é um voto que existe em todo lugar. Mas que em São Paulo é muito palpável. Porque geralmente faz o campeão. Foi assim com o Enéas, com o Clodovil e, antes, com o Cacareco. A diferença, todo mundo já assinalou, é que o Cacareco invalidava votos e o Tiririca acaba levando com ele um monte de gente. Como o Clodovil levou. A discussão estava tão correta. Porque o eleitor era continuamente informado do significado de votar no Tiririca. E a Sabrina Satto vinha falando o quanto foi procurada etc. Pra fazer o efeito artificial do Cacareco. Por conta disso, é um voto que deve ser bastante combatido MESMO. Não tem cabimento defender a candidatura do Tiririca porque ela significa uma evidente manipulação e tem o efeito contrário do que o eleitor pretende. Que é afastar de Brasília todos que são políticos. Daí aqueles que dominam o modus operandi usam esse voto, que é bastante claro em seus propósitos, a seu favor. O slogan do Tiririca é cínico. A candidatura é cínica. Porque não foram bolados por ele. Mas por gente que é o retrato do descrédito político. E caga e anda pra isso. Que dá conta de por no ar o pior que está não fica, sinalizando claramente o quanto se beneficia da despolitização do eleitorado. Antes se ser ou não ser analfabeto, o Tiririca vem dizendo que não sabe o que faz um deputado e que se eleito, a família toda estará garantida etc.  Ignorando a maldição do Cacareco (Enéas e Clodovil morreram durante o mandato), o Tiririca que e deve ser eleito e, agora, com respaldo intelectual. O direito de se candidatar e blablabla. O caso é que ele não se candidatou, pelo contrário, foi candidatado. A gente percebe que as candidaturas "naturais" nunca vingam. Vários ex BBBs e atletas tentam a política e se lascam. É preciso que haja o exotismo em dose cavalar para que essas pessoas se tornem *os escolhidos*. Agora, é óbvio que levar a questão para um suposto analfabetismo é ridículo. E aquilo de falsidade ideológica então. Nem comento. Porque nunca vou nem ler essa notícia. Cheira mesmo tapetão etc. Mandato se cassa na urna e isso é um mantra pra mim. Porque, né? A gente fica animadinha pensando que talvez o Maluf seja impugnado. Mas não adianta porra nenhuma. Porque existe um eleitorado malufista e ele vota em malufs e blá. Foi tão legal o ACM ter sido vencido pelo Jacques Wagner. Sem precisar morrer nem nada. Enfim. Se existe um voto, ele vai ser dado. Pra Maluf, ACM ou Cacareco. O caso do Tiririca é só mostrar que o voto pro Cacareco tornou-se impossível e o eleitor que gosta de votar assim vai ter que arrumar um outro jeito de protestar. Quem sabe votando no PCO ou no Eymael mesmo. Sei lá. Não vou buscar solução pros outros. Só tá me enchendo ver essa defesa do Tiririca. Como se fosse o caso de um cidadão que se candidatou. E não é esse caso etc.

Enfim. Blá. É só porque tava na imininência de bater boca no twitter e não tô a fim. Daí venho e reclamo etc.



Escrito por Mary W. às 16h38
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

Não consigo só indicar. Tenho que postar esse vídeo. Que é a maior vergonha alheia da campanha. Eu vi no Buzz do Thiago a indicação. Parece que o barbicha é presidente do PSDB Jovem. E o gordinho seria sobrinho do Reinaldo Azevedo. Não sei se é piada ou se é verdade. Porque quando as coisas ficam muito insólitas a gente não sabe mais perceber humor e ironia. O caso é que eles todos colocam o chapéu do Reinaldo. E se intitulam Turma do Chapéu. E dançam na frente de um poster do Itamar. Enfim. Tentam fazer um viral. Influenciar nas eleições usando leveza e as novas mídias. O guru indiano não sei o que acharia. A Soninha eu acho que curte.

Enfim. No Tsavkko tem mais detalhes sobre isso. Acho que foi ele que "descobriu" essa pérola.

 



Escrito por Mary W. às 20h44
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Então tem esses spams que a gente recebe. E na faculdade é foda. Porque a gente recebe mil vezes o mesmo. Geralmente com isso de "abram os olhos, veja quem é a verdadeira Dilma Roussef". E alguns colegas re-mandam. E coordenadores de curso. E tem um traço isso. Os spams panfletários raivosos são sempre "de direita". Nunca vi um professor progressista fazer isso. E como nós recebemos recados da diretoria geral, e a secretária é meio aloprada, todo mundo tem acesso à TODA lista de docentes. Imagina o saco. Daí eu recebi nos últimos dois dias isso aí. Arnaldo Jabor falando de Dilma. Não sei se é dele mesmo. Não li. Mas recebi uma meia dúzia de vezes. Daí panz. Agora, antes de dormir, vejo que um professor da História mandou o tal e-mail. Na moral, meu coração doeu. Porque ele não é o tipo historiador partidarizado. Ele é todo pós-moderno, mas eu adoro conversar com ele. Já conversamos por horas. Já discordamos muito. Mas nunca tinha visto ele bater fora do bumbo. Aí abri. Estava disposta a ler o tal spam. Pra ver por que ele tinha se encantado. E aí:


Bom dia,

Em época de eleições, me chama atenção o fato de recebermos e.mails que repassam matérias; aos que repassam matérias cabe perguntar: qual sua opinião e seus argumentos próprios?

É perigoso e pouco corajoso nos valermos de opiniões terceirizadas. Vejamos o exemplo do Senhor Arnaldo Jabor.

Nos anos da ditadura militar ele se consagrou como cineasta que produziu e dirigiu "filmes cabeças" cujo mote principal era a pornografia. Atualmente foi transformado em "intelectual nacional", porque trabalha na Globo e escreve na Veja. Com este cargo nacional é que costuma vender palestras com custo milionário (fui obrigado a assistir uma, tempos atrás, por conta de um compromisso profissional) em que a principal preocupação é a de metralhar tudo e todos com um simplismos de argumentação que mescla sarcasmo e ironia, mas sem profundidade de análise e muito menos algum tipo de proposição. Trata-se de mais um intelectual da mídia, descolado da realidade popular, que fala aos grupos de classe média também descolados da realidade popular. 

Aos que desejam abrir os olhos dos outros é bom abrir os próprios,

Obrigado,

Assim. Para mais de 200 professores. Para uns 20 diretores. Pro baile TO-DO. Tem como eu rir mais?

É a onda vermelha. Inflamando até historiadores pós-modernos.



Escrito por Mary W. às 04h55
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


 

Da série: o pior candidato do mundo

Dilma foi quem conquistou mais votos: ela começou o debate com 4 eleitores e terminou com 10. Marina começou com 3 e ao final tinha 7.

José Serra (PSDB), que foi o melhor para só duas pessoas, perdeu um de seus eleitores: tinha 4 e acabou com 3. Plínio, que começou sem nenhum eleitor, acabou com 4.



Escrito por Mary W. às 06h09
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Três mulheres que eu amo.

 

A Dilma só não ganhou esse debate aí porque veio com aquelas considerações finais sem pé nem cabeça. Agora que eu sou avó eu dou valor às criancinhas. Socorro. Vergonha alheia define etc. Se eu fosse marketeira dela tinha falado pra citar o neto sim. Mas de outra maneira. Dizendo que queria agradecer as manifestações de todo o Brasil etc. Fazer gancho com essas coisas não cai bem nunca. O Serra tinha sido patético com o lance de falar da filha, no debate da Band. Papai, você precisa sorrir mais e tals. Enfim. Como foi a parte final, fudeu um pouco o desempenho. E deu pauta pra internet. De ficar todo mundo falando que ela usou o neto e blá. Eu achei bem legal ela falar pro Serra que ele a subestima. E dar aquela estocada, né? História, meu filho, todo mundo tem. Porque enche tanto o saco ele achar que é quase um direito adquirido ele ser presidente. Por conta dessa tal história que ele tem e que acha o máximo. Sou filho de feirante, sou filho de feirante. O melhor momento dela no debate, entretanto, foi na tréplica do saneamento. Que ela acabou mostrando uma diferença do governo Lula pro governo FHC de maneira simples. Quase que dizendo, não faz quem não quer, nós mudamos o modus operandi e agora tá andando. E é importante porque ela não atacou, simplesmente mostrou que o governo Lula fez sim. E fez melhor.  E que financiamento é uma forma de investimento etc. A Renata Lo Prete foi a melhor da noite. E eu tenho toda uma teoria. Que a Folha tava aprumando. E tentando salvar a reputação nessa eleição. A cobertura vinha melhorando demais. E aí o Lula contou aquela história do almoço na FSP. E aí me parece um lance pra terapia mesmo. O Otavinho ficou insano e resolveu fazer isso que tá fazendo. O pior momento da história do jornal é esse. Esses últimos 10 dias. Mas enfim. A Lo Prete que perguntou da Erenice. E a Dilma se saiu maravilhosamente bem. Tipo ele é o filho da ex-assessora, me avise quando chegar em mim. Pontuou isso. E aí falou que não existe nada etc. O Serra não tem mais como ir bem no debate. E foi muito mal na pergunta da outra jornalista sobre, afinal, qual é a posição dele sobre o Lula. Tomou o desconserto da Dilma. O que acaba esvaziando também o discurso manjado de ter história e biografia. Não consegue apresentar nada. E teve um HORROROSO fechamento. Quando já na entrevista, o que o senhor achou do debate, requentou a fala do sigilo. Ao fundo, a expressão de aprovação da mulher dele. Parecia dizer "você está indo bem" e nunca "estou preocupada com a minha filha". Ele precisa entender que as pessoas estão considerando uso eleitoral embora achem grave a violação. A Lo Prete pontuou isso e ele reagiu muito mal. Ele não sabe mais como conseguir solidariedade do eleitor nisso aí*. Gastou uma pergunta pra Dilma falando do Irã. E sem qualquer compromisso em dizer o que ele fará na política externa. Aquela máxima do debate. Só pergunte aquilo que você, também, estiver disposto a responder. A Marina nem dá mais pra prestar atenção. Ela virou a chatice absoluta da eleição. Teve que responder a MARAVILHOSA questão sobre o pífio desempenho no Acre. Fiquei falando disso no twitter. As pessoas ficaram meio que com pena dela. Ah, nem acredito. Porque, né? Quem conhece, vota. Se conhece e não vota, complica. Bordão máximo de Leonel Brizola. Munido unicamente do eleitorado que o conhecia, bateu na porta do segundo turno em 1989. Ela ficou tão desconcertada que não soube contar o tempo. E quando o Kennedy avisou que ainda faltava 1 minuto, quase confessou. Não consigo voto se o PT não me apóia. Vi um mimimi na timeline** também. A respeito dela tabelar com o Serra. Não me deixa nem espantada. Acho que ela é claramente de oposição. Ela tá competindo mesmo. E acha que pode virar pra cima do Serra. Ela não tem qualquer compromisso com a esquerda. E acredito que tem isso de querer segundo turno pra poder estar lá ou valorizar o passe. O PV sai mal dessa eleição. Gabeira e Marina sem mandato. Ambos achavam que teriam votação que os tornasse relevantes. Não aconteceu. O Plínio tem feito um papel de palhaço que tem me cansado demais. Eu sempre dou um voto socialista. Gosto de um monte de deputado do PSOL. Mas o Plínio tem ridicularizado demais as idéias socialistas. Ele parece não acreditar nelas.  Faz questão de dizer que tá ali só pra que estas ideias sejam representadas. Um fiasco. Ainda mais se pensarmos em Heloísa Helena. Que foi super importante na eleição passada. Me lembro, inclusive, que o Lula faltou do último debate porque os marketeiros acharam que o embate com ela seria fatal pr*o* cara. Eu poderia dizer que a Lo Prete completou a ridicularização dele. Com a pergunta sobre bolsa-família significar falta de dignidade. Mas foi a Dilma que enterrou mesmo. E sem querer ainda. Ela fez uma pergunta simples. O Brasil importava plataforma de Singapura e agora não importa mais. E era só ele falar de como é importante empresas estatais fortes. Quem sabe até conseguisse colar uma pecha de estatizante na Dilma. Mas não. Ele não entendeu a pergunta. E chamou de pegadinha. Foi um momento tão patético. Virou café com leite eternamente. E dá pena do PSOL, que podia se tornar um partido de contraponto. Mas virou apenas um PSTU com mais voto. No fim das contas, fica aquele papo de que ninguém tá debatendo. Mas ninguém mostra o que há para ser debatido. O que, afinal, vai ser corrigido se um dos três ganhar? E a gente fica com a sensação de que não tem mesmo razão pra Dilma ir a tudo quanto é debate se vai ser só isso. As partes mais interessantes são de desconstrução mesmo. E a Lo Prete que mais fez isso. A outra moça foi bem também.

*No excelente twitter da @pinkywayner. Sobre a Folha ir pra Bulgária fazer reportagem com a família da Dilma.
@pinkywainer se já é raro encontrar quem saiba o que é "sigilo"imagina saber o q é Bulgária!

**Tem TANTO mimimi na minha timeline.



Escrito por Mary W. às 02h08
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Foi assim que aconteceu. Eu me formei e não tinha ideia do que ia fazer da vida. Voltei pra casa e vi um anúncio dizendo que estavam precisando de uma bilheteira pro cinema. Eu fui lá e consegui o emprego. Eu tenho muito a dizer, claro, sobre esse trabalho. Mas a coisa que ele realmente me ensinou foi a facilitar o troco. Mesmo que demore. Que você tenha que fuçar na bolsa. Facilite a porra do troco. Etc. Aí uma amiga ficava me ligando. Você tem que prestar mestrado e tals. Porque eu terminei a faculdade num mês diferente. Por conta das greves todas. Todo ano teve greve. Era FHC. kkkkkkkkkkkkkkkkk. Daí me ligou um professor e falou. Mas cadê sua inscrição?. Eu fiquei surpresa porque eu nunca tinha trabalhado com esse professor, apesar de ser amiga de boteco dele. E ele fez elogios e disse que eu tinha toda condição e que minha monografia já era um projeto. Aí eu fui pra São Carlos. Me internei estudando na casa dessa amiga. Falei com minha orientadora e passei na prova. Em último lugar. Como eu fiz um prova bastante boa, estranhei MUITO. E aí me disseram que o critério tinha sido renda. Porque estavam com poucas bolsas e 60% dos alunos não teriam e que eles estavam lutando por mais bolsas, só que eu não "precisava" e tal. Eu fiquei bem puta. Porque, né? Mas tá meio escrito na minha cara que eu sou de classe média alta e eu tenho família em São Carlos. Esse professor, que me ligou, acabou que mudando/acelerando minha vida. E aí eu, por educação, me inscrevi nas matérias dele durante todo o mestrado. É assim, na UFSCar. Ciência Política é coisa de burro e mauricinho. Sociologia é coisa dos realmente inteligentes. Antropologia é para os hippies. Eu acabei me graduando com ênfase em antropologia e caí na sociologia no mestrado (quando resolvi que meu enfoque era movimento social e não gênero - que é coisa de hippie). Daí eu fiz as matérias de política. E fiquei gamada numa, de mídia e política. E eles ficavam falando de agenda-setting. No dia que resolveram o seminário, caiu pra mim o Habermas. Mudança Estrutural na Esfera Pública. Os meninos mauricinhos que me deram. Na minha sala só tinha mauricinho. Meninos de camisa por dentro da calça. E de SAPATOS. Deus me salve da heterossexualidade. Mas se vier, jamais que eu pego um homem de SAPATO. Na saída da aula que me reservou Habermas, o professor me chamou do lado. Lembra que ele é meu amigo e até me ligou. E ele falou assim. Eles te enganaram. Vale lembrar que quase nenhuma menina faz ciência política, é bem masculino o território ainda. E eu. É?. E ele. É, é o livro mais complexo. Eu fiquei rindo com ele. E dizendo que tudo bem pra mim pegar o mais difícil. Já que os cientistas políticos são meio burros mesmo. Esse professor adorava isso. De guerra entre as três ciências sociais. Fight. Esse professor é bem fofo. Faz séculos que não vejo. Soube que se tornou o canalha do departamento. A secretária que me contou, quando fui buscar meu diploma*. Anyway, eu já falei dele aqui. Ele é pernambucano. E quando o Foucault foi pra Recife, ele que falava o melhor francês de toda a Federal. Daí panz. Puseram ele pra ciceronear o Foucault. Não tem nada a ver com a minha área, ele dizia quando contava. Mas ele ficava levando o Foucault pra beber no cais e trepar com marinheiros. Até os sociólogos, super inteligentes, paravam pra ver ele contar do Foucault. Blábláblá. O caso é que aconteceu um negócio durante o curso. Um dia esse professor chegou todo animado. Que ele tinha recebido uma pesquisa do André Singer**. Sobre o comportamento eleitoral. Daí ele contou da pesquisa. Que tava rolando faz tempo. E que era rara no Brasil. Porque era uma pesquisa que monitorava o eleitor. Que era comum nos EUA mas que não existia aqui. Por um motivo simples. A pesquisa é muita cara e as universidades tem/tinham dificuldade de manter. Então sempre que a gente vê análise política, no Brasil, a gente fala do partido. O que o partido representa, qual a base, com quem fala, com quem briga. E o eleitor fica de fora. Tipo a gente vê isso. As pessoas analisando PSDB e PT e quando vão falar do eleitor, não sabem o que dizer. E falam assim que as pessoas estão felizes com economia. É pouco, né? A gente não sabe como esse voto se construiu. O eleitor petista de hoje, por exemplo. Tipo. Como é o histórico desse voto? Como esse eleitor migrou? E a pesquisa do André Singer tava dando tudo. Quem votou no Collor? E ele sabia. Se era malufista, ademarista ou o caralho. Eu acho que já falei de tudo isso aqui. Mas é só porque eu vi que o André Singer andou dando entrevista por aí. E como o debate tá pobre demais***, fiquei super feliz. Não li inteira ainda, obviamente. Mas adorei o que li. Adorei que ele falou. Coisas assim. Me deixam feliz. Porque tá foda. Leio o dia todo sobre isso e só me sinto desinformada. É ruim demais. Ninguém quer informar nada.

O primeiro comment do post que eu linkei acho que é bastante simbólico disso tudo. Que se traduz na minha preguiça. E mostra como está árido o campo. Repito que eu entendo a aridez. Mas, né? O André Singer até participou do governo. Não é preciso lutar o tempo inteiro. Vamos ouvi-lo etc.

* Eu demorei uns 5 anos pra ir buscar meu diploma de mestrado.

** Eu tive aula com André Singer na USP. Eu larguei o curso. E então só tive Maquiavel com ele.

*** E eu tava culpando os petistas. Mas não tô mais. Eu devo até fazer o meio post sobre Dilma falhou e você pagou 1 bilhão. Mas eu não queria fazer. Eu queria que a gente pudesse discutir os problemas do PT. A candidatura do Mercadante. Que é uma candidatura que eu detesto. A relação com a coligação. Mas eu vi que não dá mesmo pra discutir. É preciso ficar o tempo todo apontando as mentiras da mídia e tá tudo tão horrorosamente escancarado. Então não tenho como "cobrar" que os petistas sejam analíticos. É realmente uma guerra, eu fui a última a perceber. Mas isso também não impede que eu diga. Que os posts de campanha mais interessantes que eu li são sobre o PSDB. O colapso do PSDB. Enfim. Sinto falta de um lance mais analítico mesmo. Não vejo em lugar nenhum.



Escrito por Mary W. às 03h31
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 

online

E-mail

segundosexo@uol.com.br

Sexies

03h45
A Lot of Coisas]
Alta Fidelidade
Aquariana Insatisfeita
Assumidamente
Biscoito e Chá
A desjanelada
A fleur da pele
Beths
Carla Rodrigues
Clarices
Cria-minha
Cynthia Semiramis
Descontrol
Des-edificante
Devaneios S/A
Drops da Fal
Emails de NY
Escarlates
Eu sou submersível
Fazendo Gênero
Feito a mão
Ginger
Girl Jolie
Gulinia
Hello Lolla
I Don't Mind a Rainy Day
Leveza do Ser
Mamíferas
Marta Bellini
Mosca na Sopa
Mothern
Nalu
New Wolrd News
Nunca disse
Os Livros da Minha Estante
Parte Tua
Pausa para o Cigarro
Quiteria
Recordar Repetir Reelaborar
Rosa e Radical
Samambaia Psicótica
Tata Pessoa
Tathy Vianna
Technicolor Kitchen
Terra da Garota
Umas e Outras
Verbo e devaneio
Woman of Affairs
Yalla

Gostosas

[sugarfight!]
Amigo Etheobaldo
Annix
Ashenlady
A Vida é Filme
Até aqui tudo bem
Berenguendem
Acontece Dentro
Bia Badaud
Blowg
Bocozices
Branca por cruza
Caderninho
Depois da Queda
Die Lena
Duas Fridas
Ébom pra quem gosta
Escape
Escreva, Lola, Escreva
Gatos e Fatos
Gerebinha
Inquietudine
Losille
Menina Didentro
Maryann is a Bitch
Nada Profissional
Non Winner
Perolada
Pergunte ao Pixel
Ornitorrinco
Parla, Marieta
Pérolas da Rainha
Quelque Chose
Quitanda
Remi Malcoeur
Recrist
Reverberações
Steffania
Tanto Clichê
Te Dou um Dado
Terapia Zero
Uh baby
Vivo Andando

Sexies

Contudo
Despereaux Tales
Dias Comuns
Mamocos
Nerd-o-rama
Rafa Mendonça
Saggio
Sobretudo de Lona
Velho do Farol
Voltas no Porto
W.Rabelo

Gostosos

A Ilha Ileris
Abunda Canalha
Farinhada
Lixomania
Malcher
Mexerica
O Biscoito Fino
Xtrobo

Histórico